Substância faz emagrecer alterando relógio biológico

Cientistas do Instituto de Pesquisas Scripps (EUA) sintetizaram duas moléculas que alteraram radicalmente o relógio biológico em experimentos com animais. Segundo os cientistas, os resultados destacam que os novos fármacos mostraram elevado potencial para tratar uma série de condições, entre elas o sobrepeso e a obesidade.

Mas não apenas isso: entre os possíveis beneficiados com uma eventual droga baseada nesse princípio estão pacientes com diabetes, colesterol alto e problemas sérios de sono. O estudo está publicado no exemplar desta semana da revista Nature.

Ritmos circadianos

O composto agora descoberto altera o ritmo circadiano, o relógio biológico do organismo. Também é alterado o padrão de expressão genética no hipotálamo, a região do cérebro que contém o principal relógio celular do corpo, que sincroniza os ritmos diários do organismo dos mamíferos.

Os ritmos circadianos resultam em processos psicológicos que respondem aos ciclos de luz e escuridão, embora o relógio biológico não seja a única rota para a influência da luz sobre a saúde. Quando foram administrados a camundongos tornados obesos por uma dieta rica em gordura, os compostos reduziram a obesidade ao diminuir a massa gorda e melhorar muito o nível do colesterol e os níveis de glicemia.

“A ideia por trás desta pesquisa é que nossos ritmos circadianos estão acoplados com processos metabólicos, e que você pode modulá-los farmacologicamente,” disse Thomas Burris, que liderou o estudo. “Como se demonstrou, o efeito desta modulação é surpreendentemente positivo, tudo tem sido benéfico até agora,” comemora ele.

Serve para seres humanos?

A equipe identificou e testou dois compostos sintéticos que ativam as proteínas REV-ERBα and REV-ERBα, que regulam genes que controlam os ritmos biológicos. Os efeitos metabólicos foram observados depois de 12 dias de aplicação – os animais perderam peso sem nenhuma alteração em sua dieta, nem de qualidade e nem de quantidade.

Em um dos experimentos, a produção de colesterol nos animais reduziu-se em 47%. A descoberta do fármaco, o princípio ativo que poderá vir a se tornar uma droga, é o primeiro passo no desenvolvimento de um medicamento, o que só acontece depois de avaliações de toxicidade, efeitos colaterais e, finalmente, a aplicabilidade dos resultados aos seres humanos.

Fonte: Diário da Saúde

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: